terça-feira, 5 de agosto de 2008

Saninklau

Ilha de São Nicolau

Revelando um passado vulcânico muito activo, visível no seu relevo montanhoso e paisagem seca, a Ilha de São Nicolau, com 342km2 e 13.600 habitantes, encontra-se numa posição quase central em relação às restantes ilhas. Estas podem ser vistas no seu conjunto, em dias de boa visibilidade, a partir do Monte Gordo, ponto mais elevado da ilha com 1.312 metros, um Parque Natural propício ao turismo de caminhada e aventura, onde confluem dois maciços montanhosos, um no sentido norte/sul outro no sentido este/oeste, num relevo muito acidentado por múltiplas depressões. O litoral é muito recortado e escarpado.

A vila da Ribeira Brava, com mais de 2.500 habitantes, é a sede administrativa do concelho. É uma vila de ruas estreitas e casarios e onde, pelo seu simbolismo, se destacam a Igreja Matriz, construída no século XVII, e o Seminário/Liceu de Saint-Nicolau, inaugurado em 1866, que se distinguiu como um importante fulcro de cultura, formadora e influenciadora de várias geração de intelectuais caboverdeanos. De entre eles sobressai o nome de Baltasar Lopes da Silva "Nhô Baltas", escritor do primeiro romance caboverdeano, o clássico "Chiquinho".

O Forte e o Porto de Preguiça, por onde passou Pedro Álvares Cabral na sua viagem que resultaria na descoberta do Brasil, o Porto de Lapa, as ruínas da Diocese e o Orfanato de Caleijão, o Monte Cintinha e a Rocha Scribida, a praia de Baixo de Rocha, linda no seu contraste entre as rochas basálticas e a areia branca, atraem-nos a esta ilha algo esquecida nos roteiros turísticos, apesar da diversidade das suas paisagens e histórias.

A ilha, com potencialidades agrícolas, começou por ter como principal produto de exportação o café vindo este a ser substituído pela cana-de-açúcar. Esta ilha possui um mar extremamente rico em peixe sendo o "blue marlin" uma atracção especial. A pesca é actividade importante na ilha e serviu de base à instalação de uma indústria de conservas de peixe (atum), na vila do Tarrafal, a mais populosa da ilha, no extremo leste de São Nicolau, onde as suas praias de areia negra, dizem, possuem propriedades curativas, sobretudo de doenças reumáticas.

Para além de um mar de imensa riqueza piscatória outras ofertas surgem. No Parque Nacional de Monte Gordo, situado no ponto mais alto da ilha, pode-se disfrutar uma vista indescritível e um clima agradável e observar espécies vegetais só existentes em Cabo Verde.

A especialidade gastronómica local é o “Modje (molho) Manel Antóne”, um caldo de carne de cabra ou carneiro e legumes, polvilhado com ervas aromáticas, a "Cachupa refogada com peixe seco frito" e a "Farinha de Pau (mandioca)".

Portugal Cabo Verde

2 comentários:

djoyamado disse...

Oi Afonso,


Por falar em Zaniglau, finalmenti ntevi oportunidadi di Konxi bu ilha na Mes di Junho (ê bem kapaz di n-poi um post na Djaroz sobre es facto). ERA ULTIMO ILHA HABITADU DI CABO VERDI KI FALTABA MI PA N-KONXI!!! E LOGO NA PRIMERU OPORTUNIDADI, N-BAI PA KASTIDJÓNE!!!

Foi um experiencia kampion... MORRO BRAS, STANXA, TARRAFAL, MONTE GORDO...

Um abraço

Afonso Santos disse...

Hello, Djoy

Obrigadu pa vizita y pa kumentáriu!
Óra ki krónika tiver prontu, anhu podi manda, nu ta publika tambê li na Patxê Parlôa.

Afonso